Fernando Pessoa - poemas
www.mDaedalus.com
poemas
de
Pessoa
A
B
C
D
E
F
G
H
I
J
L
M
N
O
P
Q
R
S
T
U
V
poesia de Fernando Pessoa
poemas em ordem alfabética de título ou primeiro verso
 A


  • A abelha Ricardo Reis
  • A água chia no púcaro que elevo à boca, Alberto Caeiro
  • A água da chuva desce a ladeira, Poesias Inéditas
  • A aranha do meu destino, Poesias Inéditas
  • Abat-jour, Cancioneiro
  • Abdicação, Cancioneiro
  • Abismo, Cancioneiro
  • A cada qual, como a ‘statura é dada, Ricardo Reis
  • A Casa Branca Nau Preta, Álvaro de Campos
  • Acaso, Álvaro de Campos
  • Acho tão natural que não se pense, Alberto Caeiro
  • A ciência, a ciência, a ciência, Poesias Inéditas 
  • Acima da verdade estão os deuses. Ricardo Reis
  • Aconteceu-me do alto do infinito, Cancioneiro
  • Acordar da cidade de Lisboa, mais tarde do que as outrasÁlvaro de Campos
  • Acordo de noite subitamente, Alberto Caeiro
  • A criança loura, Cancioneiro 
  • A criança que pensa em fadas , Alberto Caeiro 
  • A criança que ri na rua, Poesias Inéditas 
  • Adagas cujas jóias velhas galas..., Cancioneiro 
  • Adiamento, Álvaro de Campos
  • À dolorosa luz das grandes lâmpadas elétricas da fábrica, Álvaro de Campos
  • A espantosa realidade das cousas, Alberto Caiero
  • A estrada, como uma senhora, Poesias Inéditas
  • A Europa jaz, posta nos cotovelos:, Mensagem - Brasão
  • A Falência do Prazer e do Amor, Primeiro Fausto
  • A Fernando Pessoa, Álvaro de Campos
  • Affonso de Albuquerque, Mensagem - Brasão
  • Afinal, a melhor maneira de viajar é sentir, Álvaro de Campos
  • A flor que és, não a que dás, eu quero, Ricardo Reis
  • A Grande Esfinge do Egito sonha por este papel dentro..., Cancioneiro
  • Aguardo, equânime, o que não conheço - Ricardo Reis
  • A guerra que aflige com os seus esquadrões o Mundo, Alberto Caeiro 
  • Ah! A angústia, a raiva vil, o desespero, Cancioneiro 
  • Ah, a esta alma que não arde, Poesias Inéditas 
  • Ah, como incerta, na noite em frente, Poesias Inéditas 
  • Ah, a frescura na face de não cumprir um dever!, Álvaro de Campos
  • Ah, já está tudo lido, Poesias Inéditas 
  • Ah, mas aqui, onde irreais erramos, Cancioneiro 
  • Ah, mas da voz exânime pranteia, Poesias Inéditas 
  • Ah, o crepúsculo, o cair da noite, o acender das luzes Álvaro de Campos
  • Ah, onde estou ou onde passo, ou onde não estou nem passo, Álvaro de Campos
  • Ah, perante esta única realidade, que é o mistério, Álvaro de Campos
  • Ah, pouco a pouco, entre as árvores antigas, Álvaro de Campos
  • A quanta melancolia! Poesias Inéditas 
  • Ah, quanta vez, na hora suave, Cancioneiro
  • Ah, quem escreverá a história do que poderia ter sido?, Álvaro de Campos
  • Ah! querem uma luz melhor Alberto Caeiro
  • Além-Deus, Cancioneiro
  • Alentejo Seen From The Train, Enlish Poems
  • Ali não havia eletricidade, Álvaro de Campos
  • A Lua (dizem os ingleses), Poesias Inéditas 
  • Amamos sempre no que temos, Cancioneiro
  • A mão invisível do vento roça por cima das ervas, Alberto Caeiro
  • A mão posta sobre a mesa, Poesias Inéditas 
  • Ameaçou chuva, Cancioneiro 
  • À Memória do Presidente-Rei Sidónio Pais, À memória do Presidente-Rei Sidónio Pais 
  • Amiel, Poesias Inéditas 
  • A minha alma partiu-se como um vaso vazio, Álvaro de Campos
  • A minha camisa rota, Poesias Inéditas 
  • A minha vida é um barco abandonado, Cancioneiro 
  • A montanha por achar, Poesias Inéditas 
  • A morte chega cedo, Cancioneiro 
  • A nada imploram tuas mãos já coisas, Ricardo Reis
  • Análise, Cancioneiro 
  • Análogo começo, Poesias Inéditas 
  • Andavam de noite aos segredos, Poesias Inéditas 
  • Andei léguas de sombra, Cancioneiro 
  • Antes de nós nos mesmos arvoredos, Ricardo Reis
  • Antes o vôo da ave, que passa e não deixa rasto, Alberto Caeiro 
  • A nau de um d'elles tinha-se perdido, Mensagem - O Encoberto
  • A neve pôs uma toalha calada sobre tudo, Alberto Caeiro 
  • Aniversário. , Álvaro de Campos
  • Anjos ou deuses, sempre nós tivemos, Ricardo Reis
  • A noite desce, o calor soçobra um pouco, Alberto Caeiro
  • A novela inacabada, Poesias Inéditas 
  • Ao entardecer, debruçado pela janela, Alberto Caeiro 
  • Ao longe, ao luar, Cancioneiro 
  • Ao longe os montes têm neve ao sol, Ricardo Reis
  • Aos deuses peço só que me concedam, Ricardo Reis
  • A Outra, Cancioneiro 
  • Ao volante do Chevrolet pela estrada de Sintra, Álvaro de Campos
  • A pálida luz da manhã de inverno, Poesias Inéditas 
  • A palidez do dia é levemente dourada, Ricardo Reis
  • A parte do indolente é a abstrata vida, Poesias Inéditas 
  • A plácida face anônima de um morto, Álvaro de Campos 
  • Apontamento, Álvaro de Campos
  • Apostila, Álvaro de Campos
  • A Praça da Figueira de manhã, Álvaro de Campos
  • Aproveitar o tempo! , Álvaro de Campos
  • A Queda, Cancioneiro 
  • Aquela senhora tem um piano, Alberto Caeiro 
  • Aquele peso em mim - meu coração, Poesias Inéditas 
  • Aqui, dizeis, na cova a que me abeiro, Ricardo Reis
  • Aqui está-se sossegado, Poesias Inéditas 
  • Aqui, Neera, longe, Ricardo Reis
  • Aqui, neste misérrimo desterro, Ricardo Reis
  • Aqui neste profundo apartamento, Poesias Inéditas 
  • Aqui onde se espera, Cancioneiro 
  • Arrumar a vida, pôr prateleiras na vontade e na ação, Álvaro de Campos
  • Árvore verde, Poesias Inéditas 
  • As bolas de sabão, Alberto Caeiro
  • Ascensão de Vasco da Gama, Mensagem - Mar Portuguez
  • As horas pela alameda, Cancioneiro 
  • As Ilhas Afortunadas, Mensagem - O Encoberto 
  • As lentas nuvens fazem sono, Poesias Inéditas 
  • As minhas ansiedades, Cancioneiro 
  • As nações todas são mistérios, Mensagem - O Encoberto
  • As nuvens são sombrias,Poesias Inéditas 
  • As quatro canções, Alberto Caeiro
  • As rosas amo dos jardins de Adônis, Ricardo Reis
  • A 'sperança como um fósforo inda aceso, Poesias Inéditas
  • Assim como falham as palavras quando querem, Alberto Caeiro 
  • Assim, sem nada feito e o por fazer, Cancioneiro 
  • As tuas mãos terminam em segredo, Cancioneiro 
  • Às vezes, em dias de luz perfeita e exata, Alberto Caeiro 
  • Às vezes entre a tormenta, Cancioneiro 
  • Às vezes tenho idéias felizes, Álvaro de Campos
  • Atrás não torna, nem, como Orfeu, volve, Ricardo Reis
  • Atravessa esta paisagem o meu sonho dum porto infinito, Cancioneiro 
  • A tua carne calma, Poesias Inéditas 
  • A tua voz fala amorosa, Inéditas 
  • A Última Nau, Mensagem - O Encoberto 
  • Autopsicografia, Cancioneiro
  • A Voz de Deus, Cancioneiro 
  • Azuis os montes que estão longe param, Ricardo Reis
  • Azul ou verde, ou roxo quando o sol, Cancioneiro 

  • Google
     
    Web mdaedalus.com
    página de Pessoa
    página principal
    com o apoio de:
    www.travel-images.com
    Fernando Pessoa - poemas
    www.mDaedalus.com