M. Daedalus - POESIA / POETRY
www.mDaedalus.com
errante

Errando por avenidas infinitas e desertas,
Espaço e silêncio são as recompensas da noite,
A luzes de uma cidade molhada enchem o espelho.
O pântano da rotina urbana fica para trás.
Sonho com pomares forrando a estepe,
Buscando um caminho, ignorando qualquer destino,
Descubro-me a olhar muito para além do rio.

Perdido na memória do teu sorriso incerto,
Quando finalmente paro, estou junto ao oceano.
Um velho amigo, escuta-me os pensamentos,
Sussurrando uma brisa frígida e intransigente,
Faz-me voar para fora do meu labirinto interior,
Tentando-me em emoções refrescantes.
Gentilmente, atraí-me para perto de ti,
Devo esboçar alguma resistência?
 

M.Daedalus

see also:
  • o olhar da lua
  • neve
  • Macau 1599
  • céu sobre Kishinev
  • Read this poem in English
    Leia este poema em Inglês
    main
    poems in English
    poems in Portuguese
    principal
    poemas em inglês
    poemas em português
    M. Daedalus - POESIA / POETRY
    www.mDaedalus.com